«

»

mar 01 2017

ITỌRỌ:

ITỌRỌ: Pedido de casamento conforme a tradição yorùbá. Quando um rapaz se interessava por uma moça, dizia ao seu próprio pai uma linda e lúdica frase, que bem retratava a alma dosiorubas: “Vi uma flor muito bonita em um jardim e desejava colhê-la”. A partir de então, seu genitor iria procurar a família da jovem para formalizar o pedido de casamento (itọrọ).

 

Do livro: Yorùbá – Vocabulário Temático do Candomblé (Márcio de Jagun, UERJ/Litteris, RJ, 2017).

Sobre o autor

tomeje

Axé à todos. Sou o Tomeje. Iniciado em 27 de outubro de 1987 para o Orixa Ogun. Desde que conheci a religião dos Orixás eu sempre me preocupei em apreender qual a função da religião e da religiosidade na vida das pessoas. Eu quero entender como isso funciona. Como a religião e a religiosidade formam a fé de alguém. São muito anos de perguntas, muitos questionamentos pessoais e poucas respostas e creio que seguirei assim, aprendendo sempre.
Agora, graças a essa nova tecnologia, tenho uma oportunidade de interagir e trocar experiencias e vivencias dentro da religião e assim aprender uns com os outros. Eu mais que vcs, com certeza, aprendo a cada pergunta.
Eu tento compreender a nossa religião pensando sempre numa comunidade que se ajuda mutuamente. E não é diferente neste meio de comunicação, que assim como os livros, discos, cadernos, fitas, dvd's e outras ferramentas de divulgação de conhecimentos, este blog é somente mais uma forma de comunicação.
Porém este nova possibilidade não deve ser pressuposto para descuidarmos do aprendizado com nossos mais velhos nas roças, no seu dia a dia. Ainda que por vezes seja difícil, eu aprendi que é na roça que se vive a realidade da religião.
Meu trabalho aqui é muito mais do que só falar e responder questionamentos a cerca da religiosidade. Meu objetivo é promover a discussão de assuntos que nos afetam direta ou inderetamente, é lembra-los que somos parte do TODO, que somos uma só comunidade e que o indivíduo, apesar de dos seus anseios pessoais, está inserido numa família de axé e, neste contexto, quanto mais se pensa coletivamente, mais o individuo se fortalece.
Candomblé só se faz no coletivo.
Sejam todos muito bem vindo a este projeto e que nossos queridos Orixas nos encaminhem sempre no melhor destino. Axé, Tomeje.

2 comentários

  1. TININHA

    BOA NOITE,KOLOFE! SOU ABIAN [JEJE MAHI..04 ANOS COM 01 BORI …BOLEI EM UM DIA QUE NAO ERA FESTA…SOU RESERVADA,CURIOSA LOGO RESUMO DE DUVIDAS…DEIXAREI LISTADA PERGUNTAS…RSRS. [ E CORRETO O MARIDO E A MULHER SER RASPADO DA MESMA NAVALHA MESMO EM TEMPOS DIFERENTE NO MESMO ILE ? [E COMUM O ABIAN FICAR SEMPRE CONSCIENTE DURANTE O TRANSE? [PQ O IBEJI NAO PASSAR MESMO O BABA CHAMANDO ? [PQ O VODUN N VIRA COM A MATERIAL QUANDO O BABA VIRA NO XIRE? [PQ O VODUN VEM QUANDO HA >CONTENDAS< BRIGAS DENTRO DO ILE ASE ? [E NATURAL O ABIAN NAO VIRAR COM O VODUN EM ATOS EXEMPLO 14 ANOS DA YALAXE.. NA HORA DA MATAN;A EM QUE A MESMA SAI COM O BICHO DANCANDO ? MODUPE MOCIFUO

    1. tomeje

      Tininha seja bem vinda ao blog. Que sua caminhada na religião seja sempre assim, de duvidas e incertezas e questionamentos. Quem se acha conhecedor de tudo está incorrendo no erro da prepotência. A dúvida é o melhor caminho pra sabedoria.
      A religião deve unir as famílias sempre. Vc já viu em outras religiões o marido comungar num templo religioso e a mulher em outro???? Com certeza nunca viu isso. O candomblé tem tabus que na minha opinião são sem fundamento algum, pura invenção. É correto sim que o casal seja iniciado na mesma casa de axé. Porém não devem ser irmãos de barco, ou seja, serão iniciados em tempos diferentes.
      É comun o abian, o yawo, o egbon e qualquer outra pessoa não perder os sentidos durante o transe. São raras as pessoas que não ouvem ou não sentem ou não veem durante o transe. A grande questão aí é compreender oq ue faz parte do seu mundo e o que é o mundo do Orixa/Vodun. Se respeitarmos estas diferenças tudo se acomoda perfeitamente.
      Quando a Erê (Ibeji é outra divindade e não é o mesmo que Erê), isso só mesmo o baba pode te explicar. Eu fiquei durante muitos anos sem Erê, eu Orixa não permitia. Até que minha mãe (que não foi quem me iniciou) chamou o Erê e Ele veio. Não sei te explicar o motivo da ausência do seu Erê.
      Nem sempre o Vodun precisa vir só porque o Vodun do Pai virou, isso depende de cada Axé e quem pode resolver isso é o próprio sacerdote, com carinho e respeito ao seu Vodun, ok?????
      Quando há brigas na roça o Vodun vem pra proteger o filho, assim o filho não faz besteiras como por exemplo se meter na briga dos outros, rsrsrsrsrsrsr. É uma forma de proteção do filho.
      Como te falei antes, é preciso ser explicado ao filho e ao Vodun as normas e regras do Axé, não se deve ficar esperando que o Vodun saiba como se comportar, afinal, se são forças da natureza, como podem saber como é comportamento esperado do ser humano????? Acho que está faltando te explicarem as regras e normas desta Casa, né????? Asé e felicidades, Baba Tomeje

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>