Yemonjá Ogunté, a mãe guerreira.

 

Yemonjá Ogunté, a mãe guerreira.
Yemonjá foi casada com Osògìnyón, orisá fúnfun muito guerreiro e grande apreciador de inhame pilado. Essa união teve como fruto uma criança ao qual deram o nome OgunJá, pois ao nascer já era sabido pelos pais através de Ifá que o mesmo era regido por um odu com características violentas e guerreiras. Devido ao seu odu de nascimento OgunJá deveria sempre se vestir com roupas brancas, e jamais fazer uso do epo pupa (óleo de dendê), embora o mesmo se senti-se extremamente atraído a fazê-lo. O filho de Yemonjá cresceu, se tornando a exemplo de seu pai excelente guerreiro. Era um grande conquistador, porém não costumava fazer prisioneiros, matava a todos. Suas comidas prediletas eram o inhame e o ajá (cachorro), motivo pelo qual muitos cantavam quando o viam: Àwa dé èyin, aworò rí Ògún je ajá!!
OgúnJá havia conquistado várias cidades pertencentes a cada um dos orisás. Revoltados os orisás se reuniram e formaram vários exércitos para dete-lo, OgúnJá venceu todos os exércitos. Vendo todos os seus exércitos vencidos os orisás decidiram eles mesmos guerrearem com OgúnJá. Temendo pelo seu filho que fatalmente seria vencido Yemonjá pegou a espada de seu marido vestiu-se com uma armadura e foi ao encontro de OgúnJá, antes que os outros Orisás o encontrassem. Yemonjá lutou com OgúnJá e o venceu. Vendo-se vencido OgúnJá pediu para que aquele que o tinha vencido em uma batalha mostra-se o seu rosto. Foi então que Yemonjá retirou a armadura que lhe cobria o rosto. Ao chegarem a praia os demais orisás vendo OgúnJá ajoelhado na areia, aos pés de Yemonjá, gritaram:
Yemonjá venceu Ogún!! Yemonjá deve ser respeitada!!

 

 Material retirado do site Gunfaremí

66 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • Alex SP em 12 de setembro de 2012 às 11:37
    • Responder

    Bom dia Tomeje! Tudo bem com vc?

    Estou com uma duvida…
    Qual o significado do ato de “bater a cabeça” no chão para o axé que está no centro do barracão ou quando se comprimenta um orixá manifestado?

    Muito obrigado!

    Abraço!
    Alex

    1. Alex, boa noite. Ao colocar a cabeça no chão seja para o Axé ou para Orixá manifestado no filho ou para uma pessoa ilustre, vc está recriando a ligação com a sua ancestralidade. Neste ato vc está reverenciando o ancestral dono daquele Axé representado pelo ariaxé (centro do barracão), pelo próprio Orixá alí manesfestado (um ancestal) ou reverenciando a ancestralidade representada pela pessoa ilustre. Mas vc sempre deve ter claro que a cabeça no chão é um ato de religiação com o ancestral e nunca uma submissão. As vezes eu vejo tanto o orixa quanto as pessoas, neste caso citado nem tão ilustres, não retribuirem este ato de devoção com o devido respeito, algumas pessoas se colocam como superiores ou como se aquela reverencia fosse para ela e não para a ancestratlidade alí representada. Colocar a cabeça no chão também deve ser seguido de respeito por parte do outro. Axé, Tomeje.

    • Alex SP em 17 de setembro de 2012 às 00:24
    • Responder

    Tomeje, muito obrigado pela a sua resposta! Foi muito esclarecedora.

    No post referente a Omindarewa ( http://blog.ori.net.br/?p=928 ), já faz um bom tempo mas, eu falei da minha dificuldade de gostar da religião e as pessoas mais próximas de mim no entanto, não me apoiarem.
    Pois bem, hoje eu tenho apoio dos meus pais! Mas me falta ainda da minha cônjuge que ainda demonstra grande preconceito e intolerância.

    Neste vai e vem da vida, acabei encontrando uma boa casa de axé que por mais uma do destino, fica perto da minha casa. É uma casa de tradição que descende diretamente da Casa de Oxumarê.
    Fui muito bem tratado nesta casa! Mas infelizmente tive que visita-la as escondidas com apenas o conhecimento de meus pais! rs

    Acho que já dei um grande passo, se considerar que eu não tinha nada neste sentido. Mas ainda não resolvi o problema completamente.
    As vezes me falta coragem para chega nela mais uma vez e tentar debater o assunto. Porém, espero pelo o dia que ela possa ter o dissernimento e o conhecimento adequado sobre o que é esta tão linda religião.
    Sei que se eu não chegar e tentar conversar mais uma vez, este meu desejo não se realizará. Por outro lado, as vezes me sinto em uma encruzilhada tendo que escolher duas coisas que eu amo e que, viver sem uma delas não é uma opção no momento.

    Não sei o que fazer! rs
    Mas desistir jamais! Não me vejo um pessoa totalmente realizada sem um dia fazer parte efetivamente da religião.

    Abraços Tomeje!

    Alex

    1. Alex a minha resposta a vc é simples e foi vc mesmo que escreveu.

      ” Sei que se eu não chegar e tentar conversar mais uma vez, este meu desejo não se realizará. Por outro lado, as vezes me sinto em uma encruzilhada tendo que escolher duas coisas que eu amo e que, viver sem uma delas não é uma opção no momento. Não sei o que fazer! rs Mas desistir jamais! Não me vejo um pessoa totalmente realizada sem um dia fazer parte efetivamente da religião”

      Quando falamos sem muitos rodeios e com toda a emoção, o resultado é uma frase linda com esta. Quem sabe esta não seja a frase de abertura da sua conversa. Axé. Tomeje.

    • celia em 23 de dezembro de 2012 às 11:09
    • Responder

    eu tive um problema com duas vizinhas que me petubavam contratou detetive particular pra me seguir, até mesmo na macumba o cara ia atrás de mim, não sei o motivo da pertubação, acredite ele viu eu pedir ao preto velho pra afastar de mim elas e elas sabia de tudo que acontecia eu percebia só que de tanto ficar louca eu ficava falando delas direto, e não conseguia parar até ser tudo resolvido…acredite não sei como isso aconteceu…quase morri por causa delas e agora que faço.

    • MSC em 15 de dezembro de 2013 às 12:06
    • Responder

    Bom dia, Nelson. Tudo bem com vc? Me tire uma dúvida: é verdade que uma pessoa tendo Yemonja como orixá de cabeça obrigatoriamente Ogun tem que estar presente como o juntó (não sei se esta palavra está escrita corretamente)? Grata.

    1. MSC, a essa dúvida, eu chamo de “receita de bolo” e a resposta é um grande não. Muito provavelmente estão falando de um tidpo de Yemonjá chamada Yá Ogunté ou Yemonjá Ogunté, que é uma Yemonjá guerreira. Mas nem neste caso há uma obrigação da presença de Ogum junto a esta Yemonjá. Vamos compreender o seguinte. Quem determina a melhor combinação de Orixás (energias) para uma cabeça é Olodumare, e, no meu entendimento, é ponto final, não se discute mais este assunto diante de Olodumare. É Ele quem decide oque é melhor para cada ser humano, e cabe aos Sacerdotes decifrar a mensagem dos jogos que determinam a combinação de Orixás que aquela cabeça trouxe do Orum. Para isso, no tempo antigo, os próprios Sacerdotes levavam seus filhos em outros jogos para confirmar o que eles tinham vistos nos seus jogos. Isso hoje em dia é raro de ver, as pessoas criaram regras e receitas de bolo e acham quem sabem mais que Olodumare. Mas, não, não é verdade que precise de um Ogum ao lado de uma Yemonjá e te falo de exeriencia vivida. Conheço duas sras de Yá Ogunte (Yemonjá), uma tem junto Oyá, e a outra sra tem junto Exú, e são respeitadas em todo candomblé. Axé, Tomeje.

    • MSC em 16 de dezembro de 2013 às 22:09
    • Responder

    Apesar do meu pouco tempo na religião, tenho lido, buscado informações, etc, e eu também compartilho do seu pensamento, até por quê até hoje não encontrei nada que remetesse a isso. Perguntei porque uma pessoa fez esse comentário e eu achei muito estranho, precisava de um esclarecimento de alguém competente. No mais, eu te agradeço imensamente por essas dúvidas tiradas aqui. Asé, Tomege.

    • Kátia Cristina em 25 de dezembro de 2013 às 09:54
    • Responder

    Olá,Bom Dia!
    Eu não entendi,no texto Jemanjá luta, junto com seu filho ,Ognjá,e o vence?

    1. Katia Cristina, sugiro que antes de debatermos o assunto, vc me explique como vc está interpretando esta lenda. Não há nada de errado, no contexto religioso yoruba esta relação entre os dois, ora de filho e mãe, ora de inimigos ou mesmo como amantes. Precisamos debater o assunto, vamos? Tomeje.

    • Vida em 25 de dezembro de 2013 às 19:10
    • Responder

    Tomeje,

    Achei vc! Como vc está? Não nos conhecemos mas, é como se…. Li todo outro blog rsrsr então vou perguntar aqui mesmo:existe uma qualidade de Oxum que não encontro nada sobre ela sei que é conhecida em Pernambuco e em Cuba: Oxum Bakunde, vc sabe algo sobre?
    Grata,
    Vida

    1. Olá Vida seja bem vinda. Tenho lembrança do seu nome no blog ocandomblé, pelo menos acho que era o nome rsrsrs idade é triste rsrsrs… Vida eu não conheço este nome, mas se existe em Pernambuco, talvez a Dayane do ocandomble possa te ajudar, envie um comentário diretamente para ela.
      Hoje, gravando o programa Ori de TV http://www.ori.net.br, nós discutíamos justamente sobre qualidades de Oxum. Um dos assuntos levantados foi o seguinte. Existem diversos momentos da água e diversas profundidades num rio. Podemos ter aguas calmas, águas de correnteza, cachoeira, pororoca, aguas fundas, águas rasas, aguas sujas e limpas, mas todas são agua, o elemento é o mesmo, á agua. Agua mole em pedra dura tanto bate (isso é bem Oxum) srsrsrsr. Agua não briga com a montanha, a contorna suavemente e a envolve, ou vai aos poucos desmontando a montanha e escorregando-a para o fundo do rio. Agua acalma agua limpa agua mata sede e agua também afoga. Agua dá peixes e agua vira o barco. Ou seja, bem mais importante que qualidade de Oxum é saber de Oxum, de todas estas facetas de Oxum.
      Só um aconselho, verifique com cuidado a questão de Cuba, pois lá se cultua santeria e ifá e isso é outro assunto, neste ponto vá com muita calma (água mansa). Axé, Tomeje.

      • lujan em 21 de dezembro de 2019 às 22:23
      • Responder

      olá, vida

      você encontrou algum material sobre a Oxum Bakundê? Faço parte do Ylê Axé Oxum Bakundê, em Pernambuco, mas ainda não temos informações muito abundantes sobre o orixá de nossa casa

      1. Luan, seja bem vinda ao blog. Não entendi o comentário. E deixei de responder ou fiquei de procurar essa informação? Realmente não me recordo.
        Mas vamos ao que eu sei. Vou te dar exemplos de nomes iniciaticos que acabaram, erradamente, se confundindo com qualidades de Orixás.
        Oxum miwa é o nome iniciatico de uma das yalorixas do Opo Afonja Salvador.
        Oya egunita é o nome da casa de um antigo sacerdote do Rio de Janeiro decada de 60 ou 70.
        Temos muitos outros casos onde um nome iniciatico é dado a uma casa e acaba gerando essas dúvidas. Acredito que tenha sido exatamente esse o seu caso. O nome que você citou me parece que seja nome iniciatico e não uma qualidade de oxum. Eu procurei nos livros de pesquisadores confiáveis e não encontrei nada referente a bakunde.
        Espero ter ajudado. Axé e felicidades sempre, babá Tomeje.

        1. Luan, nada é por acaso. Entrei em contato com uma amiga do Recife que confirmou a existência dessa qualidade no candomblé Nagô. Porém ela não pôde me fornecer informações além disso.
          Em janeiro eu vou numa casa nagô aqui.no Rio de Janeiro e vou buscar mais.informações. Axé e felicidades sempre.

            • lujan em 16 de abril de 2020 às 11:26

            Olá, Tomeje

            Desculpe a demora para responder… Não, você não havia ficado de buscar essa informação inicialmente, mas a discussão dessa publicação sobre Iemanjá Ogunté levou uma das leitoras de seu blog, a “Vida”, a perguntar sobre Oxum Bakundê enquanto qualidade de Oxum e aí fiquei na expectativa para saber se vocês conseguiram acessar mais informações sobre. De todo modo, que bom poder voltar aqui para buscar novas informações. Como disse, em Recife temos o Ilê Axé Oxum Bakundê, casa comandada pela zeladora Clécia de Oxum Bakundê, nossa Iya. As informações sobre essa qualidade de Oxum, no entanto, ainda são limitadas. Sabemos que há um tempo, também em Recife, no tradicional terreiro nagô “Sítio Pai Adão”, havia também existiu uma pessoa que também tinha Oxum Bakundê como orixá, Mãe Janda (Dejanira Alves). Temos a informação também que Bakundê é uma qualidade de Oxum considerada anciã… Em algumas pesquisas alternativas fiquei sabendo que essa qualidade também é cultuada em Cuba… e é tudo. Fico no aguardo para saber se vc, em sua viagem para o RJ, conseguiu descobrir mais alguma coisa.

            • Tomeje em 20 de abril de 2020 às 10:28
              Autor

            Luan!!!!!! Há quanto tempo. Seja bem vindo. Eu fui buscar informações sobre o assunto mas não encontrei nada, formou-se uma barreira, um segredo inexpugnável. Isso só me faz pensar que pode ser mais um caso de nomes iniciáticos que tomaram tamanho vulto que acabaram por se confundir com qualidade do próprio Orixá.
            Também soube de um culto em Cuba, mas tudo muito incipiente e sem comprovação.
            Sobre o caso de uma outra pessoa iniciada para está qualidade eu nunca houve falar. Mas confio na sua informação. Vamos apurando os fatos kkkkkkkkkk somos de Axé e não desistimos de saber a origem, a Folha, o Itan kkkkkkkkkkkk
            Axé e felicidades sempre meu irmão. Babá Tomeje.

    • Marcus em 26 de dezembro de 2013 às 13:16
    • Responder

    Gostaria de entrar em contacto com Tomeje. Fiquei muito intrressado nos artigos que ele escreveu. Seria possível obter seu email ou meio de contacto com ele?
    Grato.
    Marcus

    1. Marcus eu sou o Tomeje, seja bem vindo. Eu só disponibilizo este meio de contato, espero que me entenda. O blog tem a função de ajudar as pessoas que tem as mesmas dúvidas e por aqui, respondendo as dúvidas e um, eu posso colaborar com outros que tem a mesma questão. Outro ponto é que o blog é de uso coletivo e eu não faço divulgação própria nele. Por estes motivos te peço que entenda. Se vc precisar de ajuda, no que for possível eu terei o prazer de te ajudar, através do blog. Axé, Tomeje.

    • Marcus em 26 de dezembro de 2013 às 18:28
    • Responder

    Caro Tomeje, obrigado pela resposta.
    Melhores cumprimentos.
    Marcus

    1. Marcus ainda hoje, durante a gravação o programa Ori para TV (www.ori.net.br) estávamos conversando sobre a possibilidade de transformar nossos textos em livro. Posso levar o assunto ao meu Pai de Santo, Marcio de Jagum, para discutirmos esta possibilidade?
      Aproveito para te indicar um outro blog onde vc poderá ler textos maravilhosos sobre o axé. São de autoria da Dayane no blog ocandomble.wordpress, aquela menina tem jeito pra coisa, veja e depois me diga. Axé, Tomeje.

    • Marcus em 26 de dezembro de 2013 às 21:54
    • Responder

    Tomeje, ótima ideia essa de falar com Marcio de Jagum. O objetivo dessa iniciativa e’ o de registrar, preservar e divulgar esse valioso conhecimento ancestral, que vocês bem cuidam. Certamente vocês saberão quem deverá ser envolvido na discussão do tema.
    Estarei de amanhã até 4/jan em viagem, possivelmente com acesso precário a internet. Qdo retornar poderei, se for o caso, ir até vocês para melhor falarmos.
    Boa sorte e bons auspícios.

    • Vida em 27 de dezembro de 2013 às 17:10
    • Responder

    Querido Tomeje,
    Simplesmente maravilhosa sua resposta…cabevinha linda de Ogum essa sua, descobri que sou filha de Oxum, orgulho danado, amor supremo…consultei o oráculo, mas meu coração já dizia isto só de pensar nela me emociono, no tocante a qualidade sei que não devo me preocupar agora, mas como li bastante fiquei intrigada porque todas as outras qualidades tem definições enquanto esta “bakunde” é apenas citada. Olhe , fiquei curiosa….querido Tomeje andei com tanta sds de vc … Li todo. , ou quase todo blog, mas achei-o 🙂 deixa eu fazer-te uma pergunta: apos a consulta com um babá muito sério fiz 3 ebós por uma causa, participei, foi lindo! Acontece que estou querendo ir ao Rio e não poderia deixar de ir conhecer nosso amigo Da Ilha, existe algum impedimento de eu consultar outro babá no jogo de búzios? Esta consulta prejudicaria meu ebó que já foi feito?
    Bjs mil no seu coração

    1. Vida não há nenhum impedimento, mas o Da Ilha cultua Ifá, talvez o jogo seja um pouco diferente, mas com certeza será muito interessante. Que Oxum te abrace sempre. Axé, Tomeje.

    • Vida em 29 de dezembro de 2013 às 19:24
    • Responder

    Tomeje,
    Amando este espaço, não sou egoista mas, sinto como se tivesse o Tomeje só pra mim rsrsrsrs deixa eu fazer uma pergunta: onde fica sua roça? Pode falar? Minha ida no Rio vai ser o turismo da espiritualidade 🙂
    Outra pergunta Ogan mesmo não virando e não sendo raspado pode tornar-se sacerdote?
    Axé

    1. Vida, minha roça, em construção, fica em São Gonçalo. Não é assim tão pertinho do Da Ilha, cerca de uma hora e meia, mas dá pra chegar sim rsrsrs. Sobre o Ogan. O próprio cargo de ogan já é um sacerdócio a ser desenvolvido, mas logicamente no seu devido espaço litúrgico e dentro de suas atribuições. Aqui no RJ, temos vários Ogans ou ex Ogans que se dedicaram ao sacerdócio por via de Ifá Orunmilá, se consagraram Babalawo, isso é legítimo e super legal, também tem aqueles que se iniciaram no culto Lesse Egum e se consagraram Ojés. Estes são cultos que permitem que homens não rodantes, na realidade exigem esta condição do homem (não rodar de orixá), se tornem sacerdotes. Já no caso do Ogan que “vira” pai de santo, o assunto é outro. Ogan e Ekedjis podem assumir uma Casa de Axé, conheço alguns casos, mas eles assumem a administração da Casa, os atos litúrgicos serão de responsabilidade de um rodante, sempre. Mas sabemos que muitos Ogans conhecem todo o rito e toda a liturgia de uma Casa porque participam dos oros e são cargos de confiança da Casa, mas mesmo assim, não deveriam se intitular sacerdotes.
      Eu fui iniciado a 26 anos, fiquei afastado vários anos e sem manifestação e Orixa muitos anos. Quando retornei ao candomblé, um pai de santo me disse que eu era ogan, que tinha que assumir minha função e coisa e tal. Foi o pior período da minha vida religiosa, eu duvidei da minha iniciação e do meu orixá, só tive problemas. Mas graças a Ogum eu me encontrei e dei continuidade a minha religiosidade em outra Casa de Axé onde Ogum retornou e tudo ficou no seu lugar. Isso me ensinou que eu tenho que ter muito cuidado ao dizer que alguém é ogan ou ekedji e mais cuidado ainda na hora de decidir a quem dar minha cabeça. Foram estas escolhas e decisões que me fizeram um sacerdote de Ogum, não foi só a minha vontade, está no meu caminho e isso é fundamental, tem que estar no caminho da pessoa. Axé, Tomeje.

    • Vida em 3 de janeiro de 2014 às 21:50
    • Responder

    Obrigada Tomeje, que este ano seja mais um ano de muita luz pra vc…vou continuar por aqui perguntando…
    Axé

    • Bpn em 2 de outubro de 2014 às 22:24
    • Responder

    Boa noite ,começei agora a me introduzir no camdomble.
    Gostei mto e me sinto bem identificada com a religião.. Falaram que sou filha de yemonja.. Realmente me sinto mto identificada com ela .. Me falaram q eu era uma ekeji porém nos xire que vou sinto uma forte vibração ou até mesmo uma forte sensação dela ao meu lado ,mas forte mesmo…
    Tanto q quando chego todos inclusive o babalorixá me fala que vê ela a todo instante comigo ,até mesmo disse que em alguns momentos ela quer ser eu!
    No último xire não me vi como ekeji (respeito mto às ekeji) mas sinto que quero estar lá no meio da roda .. Sou iyelewo… (Gostaria de saber mais sobre ela se possível) estou um pouco confusa sobre essas sensações .. Tem algum conselho pra mim..?
    Ase

    1. Bpn, seja bem vinda ao blog. Meu conselho é que vc estude o candomblé como religião ancestral e familiar de matriz africana, para isso temos diversos bons autores e pesquisadores que deram uma ótima contribuição a religião. Isso, para mim, é fundamental para os noviços da religião. Hoje temos muita gente inventando um candomblé “novo” e esquecendo da tradição. Candomblé é familiar e hierarquizado, e isso que faz de uma Casa de Axé uma Casa tradicional. Portanto a leitura de bons autores pode te ajudar a compreender a religião. Sobre sua condição de ekedji, há uma série de perguntas que vc precisa se responder. Quem te disse é sacerdote? Se é sacerdote, foi feito onde, em que Casa de Axé, por quem e quantos anos? A casa que te falou isso é de candomblé mesmo? Vc confia nesta pessoa?
      Sobre suas sensações. Sentir o orixa é normal, mesmo para as ekedjis e ogans, o que diferencia as coisas é que o rodante incorpora o orixa e os outros não. Mas para isso se definir, seja como ogan, ekedji ou rodante, eu achoque o melhor é que as pessoas sejam introduzidas na religião como abians, assim o sacerdote pode observar e de certa forma “testar” (no bom sentido) se a pessoa realmente é uma coisa ou outra, e pessoa também se sentira mais confortável em saber que passou pelo xire e não virou de orixa, certo? Portanto eu achoque o caminho é ser abian antes de ser apontado ekedji. Sobe as pessoas “enxergarem” seu Orixa, eu penso que isso pode ser uma forma carinhosa de falar que vc tem os traços deste ou daquele orixa, só isso. Quanto ao nome que vc escreveu, eu nunca li nada com este nome. Talvez vc tenha escrito errado ou entendido errado o nome, seria legal vc rever isso porque este nome não é uma qualidade de yemonjá. As qualidades de Yemonjá foram listadas por pesquisadores de renome e serve de referencia até hoje, não existem “novas qualidades” nem novos nomes. Portanto, seja lá o nome que for, ele deve aparecer numa das litas dos pesquisadores tradicionais do candomblé, como por exemplo Pierre Verger.
      Acho que por hora é isso. te desejo uma boa caminhada no candomblé e vá sempre com calma. Axé. Tomeje.

    • marcio em 10 de janeiro de 2015 às 11:26
    • Responder

    Boa tarde Pai.
    Com todo respeito sou filho de Ogum e Iemanja e meu terceiro e oxossi.
    Sou filho de Ogunja.
    Mas nao sei nada sobre ele ,como atua sobre minha vida:
    Em que area na minha vida ou momento posso pedir sua proteçao:
    Ele e responsavel para trabalhar em qual linha:
    Exu que trabalha na linha de Ogunja:
    E me relatar melhor quem foi ele?
    Desde ja agradeço do fundo da minha alma, e muito AXE.

    1. Marcio, seja bem vindo ao blog. Por coincidência eu sou de Ogun com Yemonjá e sou de Ogunjá, axé kkkkk. Marcio em primeiro lugar, me chamou a atenção a forma como se refere a religião aos Orixas. Quando vc citou “Ele e responsável para trabalhar em qual linha: Exu que trabalha na linha de Ogunja:” A palavra “linha” me diz que vc é de umbanda ou que tem uma ligação muito forte com umbanda, ok? Isso, pra mim é um problema quando vc me diz que é Ogunjá. Explicando: Se vc é de umbanda, eu preciso te dizer que na umbanda não existe o Ogunjá, e se vc for de uma casa traçada/misturada com candomblé, isso é, para mim, outro problema muito sério pois, para mim, não se trata de uma Casa que siga uma tradição religiosa definida. Então, antes de continuar a conversa, por favor, me diga qual o segmento da sua Casa. Axé. Tomeje.

    • MSC em 15 de janeiro de 2015 às 19:51
    • Responder

    Boa noite, Tomeje. Tudo bem? Tenho uma dúvida em relação ao que seja Ori Meji. Uns dizem que seriam duas qualidades de um mesmo Orixá e outros dizem que seriam dois Orixás distintos. Neste último caso, como compreender isso? Não existiria um Orixá de frente e nem o juntó? Os dois dividiriam igualmente o ori do filho? Ambos viram? Fiquei confusa. Axé!

    1. MSC, eu aprendi que só existe ori meji quando se trata de duas qualidades do mesmo orixa numa só cabeça. Quando alguém me diz de dois orixas distintos eu penso o seguinte: “No candomblé, antiguidade é posto, ok? Num barco, por exemplo, um dos filhos será feito antes do outro, assim como no caso de nascimento de gêmeos, um sai primeiro, não tem jeito. E este primeiro é mais velho e ponto. ok?” Então, pelo que eu sei, na hora da iniciação não dá pra imolar pra os dois ao mesmo tempo exatamente, sempre a primeira gota de ejé de um do dois orixas vai cair no chão antes do outro, um dos dois orixas vai virar primeiro, um Deles será chamado, na cabeça do filho, primeiro que o outro. Um vai tomar dançar primeiro. Além disso tudo, ainda dizem que podem ser orixas distintos inclusive no seu elemento formador (água, terra, fogo e ar), acho complicado alguém ser ao mesmo terra e fogo, ar e água, por exemplo. No caso do mesmo orixa, ai já muda o conceito por que estamos falando da mesma energia, e neste caso não importa muito quem está na frente, qual qualidade está na frente por que estaremos falando da mesma energia. Eu sigo o conceito de duas qualidades do mesmo orixa. Axé, obrigado e boa sorte sempre, que Yá te de felicidade e amor sempre. Mas só pra não esquecer, cade o texto prometido? kkk

    • MSC em 16 de janeiro de 2015 às 12:29
    • Responder

    Eu achei muito complexo pensar em ori meji com dois Orixás justamente por causa do que o sr. disse. Agora pensando em duas qualidades aí as coisas mudam e fica mais fácil compreender. Obrigada, Tomeje. E que Yá dê a nós muito amor, tranquilidade e sabedoria. Eru Ìyá! Axé!

    1. MSC que Yá nos ouça e traga ao mundo, paz e amor. Axéô.

    • MSC em 16 de janeiro de 2015 às 12:30
    • Responder

    Ah, já ia esquecendo de falar, o texto chegará em breve. Rsrs. Axéeeeee!

    1. MSC, que boa notícia, espero em breve publicar seu texto. Axé, Tomeje.

    • Johnny em 15 de julho de 2015 às 15:57
    • Responder

    Boa trade, sou desenvolvente da umbanda, mais sinto que minha forca e do camdonble, eu vi um comentario do sr, que se a casa tem esses dois seguimentos e um problema, e possivel eu cultuar meus orixas e seguir na umbanda ?

    1. Johnny, seja bem vindo. Eu, em particular, creio que vc deve esperar um bom tempo, aprender e observar muito, e só depois disso deve se decidir sobre umbanda ou candomblé. Sempre que eu falo dos problemas das Casas que misturam umbanda e candomblé eu me refiro as Casas onde impera o vale tudo, onde há uma mistura excessiva. Quando a Casa tem toques específicos para umbanda ou candomblé e segue a sua raiz principal, seja umbanda ou candomblé, não há nada de mais. O probelma, repito, são são misturas onde não se identifica o que é cada segmento. Não há impedimentos para vc cultuar seus guias no candomblé, mas talvez seja complicado cultuar alguns orixas do canomblé na umbanda. Por exemplo, Logum, Oxaguian, Oxalufan e outros. Espero ter ajudado. axé, Tomeje.

    • Johnny em 19 de setembro de 2015 às 10:59
    • Responder

    Asé motumba, ja me descidi, joguei os buzios, ele me revelou que nao escolhi o orixa e sim o orixa me escolheu, ou seja nao tenho muito que fazer, obrigado pela sua sabedoria e sua bencao, msm sendo de outra cidade devo agradecer suas explicacoes, vou fazer o bori hj, que orumila me abencoe junto com iemanja e exu, sou filho de ogum, e nao tenha nada nesse mundo que ira atrapalhar eu fazer minha raspagem, e dar vida ao meu orixa…

    1. Johnny, mesmo sem te conhecer pessoalmente eu arrisco te dizer que vc não está pronto para se iniciar e que vc tem muitas chances de se arrepender num futuro breve. Vc tem todas as escolhas na sua mão, vc deve ser dono de suas escolhas sempre. Orixa pode te escolher (eu acredito que não é verdade isso, creio que nós escolhemos nossos caminhos desde o Orun até o dia da morte) mas a hora da sua iniciação, em 99% dos casos deve ser escolha do filho depois de um longo tempo de namoro com a religião. Acho que o seu discurso é de quem está escondendo de vc mesmo o seu desejo de se iniciar e está colocando a responsabilidade no orixa, e isso é muito ruim. Johnny vá com mais calma e se de mais tempo para se conhecer e conhecer a religião e os orixas. Não me entenda como prepotente ou chato, ok?? Axé, Tomeje.

    • Milton em 24 de setembro de 2015 às 09:39
    • Responder

    Olá Tomeje, tentei localizar seu email mas não consegui. Estou elaborando uma tese de doutorado em que o Candomblé faz parte dos meus estudos. Gostaria muito de contar com a sua ajuda. Vi alguns comentários sobre a cozinha dos santos e gostaria de conversar com vc. Atualmente estou na Espanha com esse trabalho. Anexo segue meu email, para que possamos trocar informações sobre a religião do Candomblé. Te encontrei ao acaso na internet e algo me disse: Tem que falar com esse moço. Um grande abraço e espero seu retorno.

    1. Milton ficamos muito felizes em ajudar, vou enviar um email para este endereço postado aqui. Mas vou falar com meu Pai Marcio de Jagum para pedir autorização e ver o que ele acha, ok? Axé, Tomeje.

    • agodo em 3 de janeiro de 2016 às 10:59
    • Responder

    Amigo, deixei o karde cismo e estou na umbanda sou de s
    de xingo com irmana, gosto demais da umbanda, terá algum problema para minha corre
    Nte

    1. Agodo, sua mensagem chegou muito “truncada” não entendi algumas palavras. Vc pode, por favor, reescrever? Axé e felicidades em 2016. Tomeje.

  1. EU GOSTEI DE LER SOBRE IEMANJÁ OGUM TE , MÁS GOSTARIA DE SABER QUAL DAS IEMANJÁS TEM SEUS FIOS DE CONTAS, EM TAMANHOS PEQUENOS E DE CRISTAL

    1. João Ferreira seja bem vindo ao blog. Os fios de contas são uma particularidade de cada Casa ou Segmento (Ketu, Jeje, Angola e etc), eles vão variar de cor, tamanho, material e finalidade. Os fios de conta também servem para identificar a pessoa na escala hierárquica, por isso eles variam tanto, inclusive nas cores dedicadas aos Orixas, Voduns e Inkises. O uso destes fios de conta que mais parecem um colar e que estão na moda há algum tempo não representa a tradição religiosa. Os fios tem um tamanho que em geral chega até o umbigo e isso tem motivo ritualístico para ser assim. Por tanto, o que vale para vc é a forma como o fio de contas é feio na sua Casa de Axé, não existe mais (infelizmente) uma regra geral. Axé e felicidades, Babá Tomeje.

    • JOÃO FERREIRA em 24 de julho de 2018 às 22:11
    • Responder

    SEMPRE ACREDITO NAS FORÇAS DA NATUREZA , EU GOSTARIA SABER QUAL O EXU QUE COME PORCO

    1. João Ferreira seja bem vindo. Eu tenho uma boa estrada aqui na internet e na vida religiosa que me permite te dizer com absoluta certeza que vc nunca deve perguntar isso na internet a ninguém, há muita informação desencontrada e falsa. Se é que existe um Exú que recebe porco como oferenda isso é um assunto restrito ao Axé e a Casa de cada um, nunca se fala destes assuntos publicamente. Alguns assuntos são devem ser mantido somente na esfera do aprendizado vivencial da Casa de Axé. Mesmo que vc ache em alguma lista, incluindo o meu blog, a informação de que um determinado Orixa/Exú recebe isso ou aquilo como oferenda, isso não pode ser referência para que se faça em TODAS Casas, entende? Cada Casa e cada Axé tem seus próprios entendimentos sobre certos assuntos. Axé e felicidades, espero ter ajudado, Babá Tomeje.

    • Luana Andrade Kennedy em 22 de setembro de 2019 às 15:06
    • Responder

    Sou de Iemanjá ogunte com Ogum ,essa Iemanjá usa fio conta verde ou posso usar cristal

    1. Luana Andrade, seja bem vinda. Eu já vi usarem o verde transparente, cristal com verde transparente e cristal com azul transparente. Então só quem pode te orientar é quem te falou que você é de Yemoja Ogunté por que vai depender da casa dessa pessoa.
      Mas como eu sempre digo, o que importa mesmo é conhecer o Orixa, qualidade é detalhe que só tem importância na iniciação. Se você não tiver mais contato com a pessoa, use um fio cristal que Ogunté está representada também. Axé e felicidades, Babá Tomeje.

    • Yara em 14 de outubro de 2019 às 02:48
    • Responder

    Ola, sou iniciante. Frequentei candomblé e lá em todos os jogos me deram ya ogunté (yemonja ogunte).
    Queria saber se assim como não existe ogunjá na umbanda, como foi dito, se existe Ogunté na umbanda !?
    Obg

    1. Seja bem vinda ao blog Yara. Realmente na Umbanda não existem muitas qualidades de Orixás que são cultuados no candomblé e é compreensível por que são segmentos diferentes. Na umbanda também não são cultuados Logunede, Óbá (orixá feminino que não está relacionado à Xangô), Yewá, Ossayn, Oxumare, Iroko.
      Umbanda é muito bonita da forma que é não tem nada melhor que uma casa que mantém sua matriz religiosas.
      Se o seu lugar for a umbanda vá de coração aberto e seja feliz. Com certeza a umbanda vai te acolher e você vai encontrar o orixá certo na visão da umbanda. Espero ter ajudado. Axé e felicidades sempre.

    • Raphael em 30 de outubro de 2019 às 18:32
    • Responder

    Olá boa noite. Queria tirar uma dúvida com o Sr. Queria saber se é comum ter filhos de Oya com junto iemanjá.e o arquétipo desses filhos já que não encontro em nenhum lugar. Aguardo ansioso sua resposta.

    1. Boa noite Raphael, seja bem vindo ao blog. Quase todas as combinações de Orixas são possíveis sim. Minha saudosa Yá era de Yemonjá com Oyá, conheço pessoas que são de Yemonjá com Oxum. E tantas outras combinações possíveis. Penso que o melhor caminho para que vc conheça o arquétipo dessa combinação Yemonjá com Oyá, o melhor caminho é conhecer quem são estas duas personalidades distintas porém complementares. O mais importante é conhecer o Orixa em sí, a síntese, a base do que é o Orixá, entende? Vejo muita gente falando de arquétipos. para mim isso é equivocado, Orixa não é único, não se prende a arquétipos ou modelos. O mesmo nome de Orixa, por exemplo, Ogunjá, tem comportamentos muito diferentes em cada filho e isso vale para todos os Orixas. Por isso eu afirmo que o importante é conhecer o Orixa e na sequencia reconhecer-se diante do orixa. Entendeu? Consegui explicar? Axé e felicidades sempre. Babá Tomeje

    • Raphael em 30 de outubro de 2019 às 18:36
    • Responder

    Olá. Queria tirar uma dúvida. Como é o arquétipo dos filhos de Oya com junto iemanjá. Não encontro em nenhum lugar. Por favor.

    • Raphael em 3 de novembro de 2019 às 21:21
    • Responder

    Entendi perfeitamente. Só que queria uma pequena descrição de como São ou deveriam ser tais filhos, não encontro em nenhum lugar como tantos outros. Sei que com seu tamanho conhecimento pode me deixar esse esclarecimento. No caso uma Funã com uma Akurá

    1. Bom dia Raphael. Nós somos um blog que dentro do nosso conhecimento nos esforçamos para trazer boas informações aos nossos leitores e nunca entramos nesses assuntos por que não é nossa cultura.
      Além do que já te informei reitero que o importante é conhecer o Orixá antes de conhecer qualidades.
      Qualidade só é apurada quando a pessoa é iniciada, antes da iniciação falar de qualidade é especulação e cria muitos problemas para a pessoa que fica com essa informação na cabeça e se por acaso ela for para uma outra casa e receber a informação de que é de outra qualidade??? O que faz com toda informação anterior ????
      E por outro lado, se você já é iniciado quem pode te respo der essa questão é seu sacerdote, ninguém mais.
      Axé e felicidades sempre, Babá Tomeje.

    • Benedito em 10 de maio de 2020 às 14:08
    • Responder

    Boa tarde! Tudo bem acompanho a leitura e o aprendizado. Sou catuawarajagunã, iniciado há 32 anos queria tomar um bori frio. Pode indicar alguma casa de tradição em São Paulo?

    1. Boa noite, Benedito. Seja bem vindo ao blog. Eu sou descendente do Axé Oxumare, Salvador. Se o sr conhece e se afiniza com nossa Casa eu posso indicar alguém para um primeiro contato. Tenh um grande irmão em Campinas. Tradição Opo Afonja. Aguardo seu retorno. Axé e felicidades sempre. Babá Tomeje.

    • Chérie em 11 de junho de 2020 às 00:39
    • Responder

    Ola baba sua bênção!?
    O senhor poderia me esclarecer pelo seu entendimento, qual os arquétipos dos filhos de Oya?

    1. Chérie, seja bem vindo (a) ao blog. Chérie cada orixá tem suas particularidades e isso é inegável. Ogun é guerreiro, Xangô é ligado a justiça imparcial, Oxum é ligada ao amor e maternidade. E assim das orixá está ligado a um aspecto da vida, cada um tem uma aptidão num determinado campo de atuação. Oyá está ligada a alguns campos ou aptidões e isso está diretamente associada a que tipo de energia está Oya trás consigo. Algumas tem a função de encaminhar os mortos, outras são guerreiras e outras são o amor incondicional. Portanto, falar de arquétipo é bem delicado e pode haver diversas interpretações. E temos ainda a questão do segundo orixá que pode interferir muito na vida e personalidades da pessoa. Por este motivo eu sempre repito que o importante é conhecer o Orixá em sua plenitude e depois disso é que podemos nos identificar com aspectos mais detalhados e3 reservados do orixa, ou seja o arquétipo.
      Saber que é d3e Oyá já deve ser impactante, né? Afinal é um Orixá muito ativo, vivo e serelepe kkkkkk, nunca está quieta, sempre arrumando o que fazer e descobrindo novidades. Mas saber o que é Oyá vai te ajudar a descobrir. Faça o caminho contrário, parta das descobertas do Orixá para que você se encontre em Oyá. Espero ter ajudado. Axé e felicidades sempre. Babá Tomeje.

    • FABIANE em 18 de dezembro de 2020 às 18:32
    • Responder

    Boa noite sou filha de Ya ogunte com Oya. gostaria de saber se existe qualidades de Ya ogunté.
    tenho feito estudos mas não acho nada dela, em compensação de Oya varias.
    poderia me auxiliar.
    Sua benção.

    1. Seja bem vinda ao blog Fabiane. Ogunte é uma qualidade de Yemonja. Porém na Casa Branca do Engenho Velho, eu não posso te dar absoluta certeza, mas eu soube que Ogunte tem uma ou mais “qualidades”. Alguém que seja Casa Branca talvez possa te ajudar mais.
      Em todas as demais casas Ketu. Ogunte é uma so qualidade de Yemonja.
      Mas o que eu sempre digo é que o mais importante é conhecer Yemonja antes de conhecer qualidades. Axé e felicidades sempre, babá Tomeje.

    • Izza em 16 de julho de 2021 às 22:19
    • Responder

    Queria saber sobre Yemonjá Ogunte com Obaluaye como juntó, não achei nada sobre…

    1. Bom dia, Izza. Seja bem vinda ao blog. Izza, sua duvida é muito frequente, assim como a minha resposta. Antes de se preocupar com qualidades de Orixá ou combinações de Orixá A + Orixá B, é preciso compreender o Orixá em sua plenitude. Saber de qualidade é fazer o caminho inverso e, na minha opinião, um caminho mais difícil. Por isso, a melhor opção é conhecer o Orixá. Axé e felicidades sempre, babá Tomeje.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error

Enjoy this blog? Please spread the word :)